Política

Desinformação e desleitura, por Marcelo Mário de Melo

Desinformação e desleitura, por Marcelo Mário de Melo

01/10/2012 11:17

 

 

Em entrevista ao JC publicada no domingo 5 de agosto, conduzida pelas repórteres Ana Lúcia Andrade e Bruna Serra, foi perguntado ao presidente nacional do PT, Rui Facão: “É uma questão de honra para o PT vencer o PSB no Recife?”

 

Ele respondeu: “É uma questão de honra para nós ganhar a eleição em Recife. Nosso objetivo hoje é crescer nacionalmente, manter a maior parte das prefeituras que temos, reconquistar algumas das que perdemos e aumentar significativamente o número de vereadores. Esse é o nosso objetivo. E Pernambuco, São Paulo, Fortaleza e Belo Horizonte são prioritárias. Vamos jogar muito peso nessas campanhas.”

 

Observe-se que a questão de honra colocada pelo presidente do PT se referiu ao interesse de conservar as prefeituras que já estavam nas mãos do seu partido e reconquistar outras, sendo citadas como prioritárias as de Recife, São Paulo, Fortaleza e Belo Horizonte. Ele não fez nenhuma referência nominal ao PSB.

 

Mas no título da matéria, de canto a canto da página do JC, foi colocado: “É uma questão de honra vencer o PSB no Recife”, diz Rui Falcão. A partir dessa incorreção, replicada no Blog do Jamildo,  se desencadeou uma onda de protestos por parte de representantes do PSB. Quem puxou o cordão do “telefone sem fio” foi o deputado Waldemar Val Borges, líder do governo na Assembléia Legislativa, que nas páginas do JC, em 6 de agosto,  matéria assinada por Bruna Serra, classificou o presidente do PT, Rui Falcão, de “colonialista e rancoroso”, por “colocar como objetivo maior da candidatura petista  à Prefeitura do Recife derrotar o PSB” ;

 

É espantoso que um deputado, falando como porta-voz de um governo, apenas passando os olhos pelo título de uma matéria, faça um pronunciamento agressivo contra um partido do campo aliado no plano nacional.  Espantoso também que não tenha contado com ninguém que tivesse feito a leitura completa e o alertasse.

 

Depois de Waldermar Borges, e no mesmo tom , em artigo publicado na edição do JC de 20 de agosto, o secretário estadual da Casa Civil, Tadeu Alencar,  afirma “… causou indignação a afirmação do deputado estadual paulista que preside o PT. De que é ponto de honra derrotar o PSB no Recife. Tal se constitui num primor de arrogância numa pérola de desacerto diplomático”. Outros representantes do PSB e do governo do estado, “emprenhando pelos ouvidos”, foram engrossando o caldo.

 

É bom lembrar aos representantes político-partidários que a existência de uma candidatura do PT e outra do PSB na disputa pela Prefeitura do Recife já coloca uma série de problemas reais, não sendo recomendável adicionar ingredientes irreais, notadamente, do tipo que provoca acirramento e ressentimento entre as lideranças e as bases dos dois partidos. Chega de sadomasoquismo político. Principalmente, entre forças que, queiram ou não queiram, mantêm aliança em torno de questões mais gerais e co-participam de governos nas três instâncias da federação.

 

Quanto aos jornais e aos jornalistas, respeitando-se o seu direito de ter simpatia ou mesmo defender esta ou aquela candidatura, é elementar que haja nas coberturas o devido respeito aos fatos e às declarações dos entrevistados. E quando ocorrer algum incorreção neste sentido, que seja assumida, reduzindo-se os estragos por ela provocados.

 

Marcelo Mário de Melo é jornalista

 

Opine e entre na discussão