Política

Chamou “raposas” pra briga e saiu arranhado

Chamou “raposas” pra briga e saiu arranhado

26/09/2012 13:31

Por Ricardo Antunes

O líder nas pesquisas, como não poderia deixar de ser, sofreu mais ataques, e não soube manter equilíbrio como o sorriso colado no rosto. Preocupado ao mesmo tempo em defender o governo do padrinho Eduardo Campos, exaltar a própria capacidade administrativa e disparar contra os adversários para tentar vencer no primeiro turno, Geraldo Júlio adotou uma postura na maior parte do tempo arrogante e irônica. Que pode ter agradado à militância, mas certamente não seduziu a parcela de indecisos de que ele necessita para levar no dia 7.

Ao citar o pai do candidato em ascensão que deve ir ao segundo turno, mandou claro recado a Daniel, sinalizando que guerra é guerra e pode vir chumbo grosso por aí – apesar do discurso repetido à exaustão, sem qualquer relação com a realidade, de que promove a única campanha limpa, sem querer denegrir os opositores. A diferença entre o discurso e a prática foi clara no instante em que Geraldo aproveitou seu tempo de fala quase inteiro para chamar os demais de “raposas”, no penúltimo bloco do debate. O direito de resposta triplo, em que todos os citados tiveram a chance de bater nele respaldados pela ofensa gratuita do candidato do PSB, foi um castigo que pode ganhar proporções maiores. O episódio teve destaque no noticiário nacional, e com a ferramenta das redes sociais, deverá ser bastante repercutido a partir de hoje, quase uma semana antes do encerramento oficial da campanha.

Opine e entre na discussão