Opinião

Império acusa golpe e PT leva um baque, por Ricardo Antunes

Império acusa golpe e PT leva um baque, por Ricardo Antunes

13/09/2012 10:23

Em qualquer lugar do mundo a crítica política e o humor são formas naturais do contraditório no embate político. Por aqui, a tradição provinciana e coronelista que não foge à regra na capital quer confundir a sátira com jogo baixo, e impedir o contraditório recorrendo aos amigos da corte. Bastou uma bem-sucedida contra-propaganda nas redes sociais, transposta para o Guia em outra linguagem, para atiçar a ira dos que se sentem intocáveis.

A reação satírica apenas brinca com o mote da campanha do Palácio, que abusou do tema “Foi Geraldo que fez”. O tiro não chegou ainda a sair pela culatra, mas caminha pra essa direção, caso o estopim do mau humor e da judicialização se alastre nos bastidores e atinja o desempenho do candidato Geraldo Júlio, sobretudo nos próximos debates. Até porque Geraldo já deu mostras de que possui pavio curto. E arrogancia de mais.

Do outro lado, não há menos problemas. Humberto Costa vê o folego petista no Recife cada vez mais desgastado, e na pesquisa mais recente, do Datafolha, vislumbra com receio o empate técnico com Daniel Coelho – por ironia, agora pertencente ao partido mais denegrido pelo PT, o PSDB. Resta a Humberto apelar de uma vez para a entrada em cena de Lula e Dilma, como apagadores do incêndio recifense. Mas será que eles topam esse papel? O cenário cada vez mais embolado, com a subida de Daniel e a estabilidade do candidato de Eduardo lá na frente, podem afastar a presidenta e o ex-presidente do risco de se queimarem em Pernambuco, dando mais lenha para a fogueira dos altos planos do governador Eduardo Campos.

Enquanto isso, a onda verde-tucana continua a animar os defensores de uma terceira via original. Afinal, os eleitores podem não querer que o PSB domine Estado e Prefeitura de uma vez. Até porque o governo de Eduardo também tem as suas falhas – pouco exploradas por uma oposição capenga, mas tem. Quanto ao PT, o auge do julgamento do mensalão e o descarte autoritário de João da Costa da disputa tendem a diminuir as chances da continuidade do partido no poder no Recife. Suprema humilhação, quem diria para um PT, que teve mede de confrontar com o imperador e deverá ser varrido  do mapa eleitoral de Pernambuco por ele.

Com o Império acusando o golpe e o PT em baque previsível, a campanha vai ser dura. Tirem as crianças da sala.

Comentários

Canjos - 5 de outubro de 2012

A casa caiu, se for verdade é o fim, agir desta maneira e querer ser o bom, que vergonha.

[Reply]

Opine e entre na discussão