Opinião

Santa vence a arrogância e conquista o bicampeonato, por José Neves Cabral

Santa vence a arrogância e conquista o bicampeonato, por José Neves Cabral

14/05/2012 09:14

E por falar em ritmo, foi o que sobrou aos tricolores e faltou aos rubro-negros no jogo decisivo. O Santa jogou com todas os instrumentos afinados, enquanto o Sport era um samba de uma nota só: Marcelinho, Marcelinho, Marcelinho.

E destruiu-se um mito: o Sport pode perder até com Marcelinho jogando bem, como jogou neste domingo. Ele criou, deslocou-se, correu, marcou, mas o time sobre as suas costas era muito pesado para alguém carregar sozinho. Mesmo ele.

Do outro lado, o solista Dênis Marques foi sempre muito bem acompanhado. Flávio Caça Rato infernizou a cambaleante defesa contrária. Sem o voluntarioso Tobi, a zaga do Sport perdeu-se e foi um ponto frágil quando mais o time precisava. Aílson não substituiu o titular a contento. A situação agravou-se com a contusão de Bruno Aguiar.

Dênis Marques nada tinha a ver com isso. O jogo estava um a um. Ele pegou uma bola na intermediária, enganou um bobo zagueiro que o cercava e arremessou. Magrão aceitou. Dali em diante, o Santa Cruz administrou o resultado. Tocou a bola, arrastou o jogo, ganhou tempo e ainda marcou mais um com Luciano Henrique.

O Santa Cruz não é o melhor time do mundo, apenas é uma equipe organizada, na qual cada elemento procura cumprir sua função e os três setores buscam a  harmonia.

Já o Sport exibe falhas nos três setores. A defesa é frágil e carece urgente de um lateral-esquerdo. O meio-de-campo não tem um ponta-de-lança legítimo, além de jogadores de qualidade duvidosa, como Diogo, o pior em campo na decisão. Os atacantes, então, estão abaixo da média.

A conquista tricolor nos prova, mais uma vez, que nem sempre um clube com maior poderio financeiro ganha um campeonato. É preciso saber usar o dinheiro. O Sport gasta mensalmente R$ 1,6 milhão com a folha salarial, enquanto o Santa desembolsa cerca de R$ 350 mil.

A questão é de gestão, de organização e planejamento, de critérios para contratar jogadores. Pelo que o Sport vem apresentando nos últimos anos, isso não existe na Ilha. A diretoria tricolor foi mais competente e, por aí, podemos dizer que, antes de ganhar a decisão dentro de campo, ganhou fora.

Opine e entre na discussão