Sem Censura

O “Imperador” e a Indústria da Seca. Na Coluna do Meio-dia, por Ricardo Antunes

O “Imperador” e a Indústria da Seca. Na Coluna do Meio-dia, por Ricardo Antunes

24/04/2012 12:34

O governador Eduardo Campos adora falar da “indústria da seca” em seus discursos, e a exploração política do “coronelismo” que teria atrasado a vida dos sertanejos.

Pois bem, o nosso “Imperador” – maldade criada pelos seus poucos adversários – poderia refletir mais sobre o assunto.

Depois de uma década de governo federal do PT, a indústria da seca mudou apenas de mãos, mas continua essencialmente a mesma.

Ou alguém acha que R$ 80,00 por família, no melhor estilo petista de “dar o peixe sem ensinar a pescar”, resolve alguma coisa?

Em Pernambuco, a contradição teima em desaprumar a pose oficial.

Como um Estado, que se gaba de estar em uma “época de ouro”, não consegue nem dar os primeiros passos para resolver um problema que põe dezenas de municípios em estado de emergência e milhares de pessoas com pires na mão?

Tem algo errado aí.

Bem eu sei que são perguntas chatas, mas elas teimam em me fustigar.

Com a palavra ou a resposta, os seus súditos.




Déficit

A reunião de Dilma Rousseff ontem, em Aracaju, com Governadores dos Estados do Nordeste atingidos pela seca, foi necessária, mesmo que atrasada.

Assim como foram necessárias as medidas anunciadas pela Presidente no mesmo dia, após o encontro.

Mas os números falam mais alto que as palavras e os fatos são estes:

O orçamento disponível para ações de prevenção e resposta a desastres, referente especificamente ao ano de 2012, deve contar com a cifra de R$ 2,5 bilhões.

No entanto, só 11,2% do valor total foram pagos até a primeira metade de abril – R$ 287 milhões, dos quais R$ 200 milhões foram gastos com restos a pagar, não com novas iniciativas e projetos.




Ideia dele

O pessoal do contra – sempre eles – estão espalhando por aí que é do marqueteiro Antonio Lavareda a ideia do outdoor gigante – sete vezes maior que o normal – que a Prefeitura do Recife montou no Pina, e que está ganhando repercussão nacional.

Com a prorrogação de mais dois contratos de licitação que atingem em cheio (de forma proveitosa, claro) o bolso do publicitário, atual dono da RGA Propaganda, até que não é uma maldade sem sentido.

A PCR gastou, desde janeiro de 2012, mais de R$26 milhões de reais em serviços de contratos formados com empresas de publicidade. Entre elas, claro, a RGA, do poderoso Lavareda.




De castigo

Das três tendências que deram apoio a Maurício Rands ontem, pelo menos duas dizem estar há anos sem conversar ou serem recebidas pelo Prefeito.

Uma, inclusive, jurou que não encontra com João da Costa desde 2009.

Não é exagero, não, gente?




Bola fora

O coordenador da campanha de Maurício Rands, Cláudio Ferrreira, está cada vez mais chato.

Marcou uma coletiva com o pré-candidato à Prefeitura do Recife no mesmo horário do jogo do Barcelona.




Mais uma

A Comissão de Reforma do Código Penal do Senado aprovou uma proposta que classifica como crime o enriquecimento incompatível com a renda declarada por políticos, juízes e demais servidores públicos.

De acordo com o projeto, agentes públicos com patrimônio a descoberto poderão ser punidos com um a cinco anos de prisão.

A pena pode ser aumentada em metade ou até dois terços, se o agente público transferir a posse de bens e valores a terceiros, totalizando oito anos e meio, além da perda de tudo aquilo que foi obtido de forma ilegal.

Uma importante iniciativa para o combate à corrupção na administração pública brasileira.

Mas se não for, de fato, implantada, vira mais uma “lei morta” recheada de boas intenções.

Opine e entre na discussão